1- Aprenda os benefícios da modalidade

Muitas pessoas começam a praticar orientação porque quer ficar magro, porém com um corpo bonito, com músculos que esculpam um corpo bonito, porém, se você prestar atenção no corpo de quem corre muito, ele é basicamente magro.

A Orientação é um esporte moderno e transdisciplinar.
Ele é um meio que você usa conceitos de diversas disciplinas como geografia, matemática e educação física. Dentro da escola essa modalidade pode ser revolucionária.

É um esporte que trabalha o lado intelectual, porque você vai usar conceitos de diversas disciplinas, e ainda colocar em prática atitudes importantes, como saber fazer escolhas e autonomia.

Tem várias características que fazem com que proporcionam uma educação integral.

Vale lembrar que há quem desista de praticar a orientação porque não alcança seus objetivos com a corrida, por isso é tão importante adequar seu objetivo à modalidade. E, para isso, a orientação do professor é fundamental.

2- Corrija sua técnica

Ao correr, você estressa seu sistema cardiovascular, seu coração bate mais forte, os pulmões fazem a troca gasosa entre oxigênio e CO2 com mais eficiência, seu corpo produz mais mitocôndrias para levar oxigênio e produzir energia para os músculos. Tudo isso vai acontecer independentemente do seu treino de corrida ter ou não orientação profissional.

Porém, só o professor vai corrigir suas passadas e sua postura, verificar se o seu corpo está muito inclinado ou estendido, se você olha para o chão ou para frente, se seus braços ficam como pêndulos ou se você arrasta muito a perna, entre outros detalhes.

A questão técnica que o professor corrige garante que a sua corrida seja mais eficiente, que você siga um padrão de movimento para ter mais economia de movimento. Assim, além de melhorar os sistemas cardíaco, circulatório e muscular, você terá um corpo mais regulado, funcionando melhor para praticar orientação.

3- Treine com embasamento científico

Um treino de corrida envolve uma série de estudos para que você tenha o melhor aproveitamento possível e alcance os resultados esperados. O educador físico vai explicar o que cada tipo de treino vai beneficiar no seu rendimento e ainda mostrar conceitos como limiar anaeróbio 1 e 2, VO2 máximo, exercícios de grande predominância aeróbia ou anaeróbia, além das diferenças de treinos como treino contínuo crescente ou decrescente, treino intervalado extensivo ou intensivo, fartlek, entre outras técnicas.

Outro ponto importante é que você vai entender como seu corpo agi e muda à medida que as cargas de treino são alteradas. Lembre-se que só gostamos de fazer aquilo que conhecemos. Se você não sabe por que está treinando, com o tempo não verá sentido em treinar.

4- Garanta o elo entre suas necessidades e os resultados

O professor é o elo entre as suas necessidades, e muitas vezes suas vontades, e seus resultados. Além de montar seu treino, é ele quem vai perguntar, verificar e acompanhar seus resultados, cobrar sua presença nos treinos, parabeniza-lo após uma sessão de treino, incentivá-lo a não desistir e cuidar de você.

Esse elo é muito importante pois apenas após 54 dias, com atividades frequentes de três a quatro vezes por semana, que criamos o hábito de treinar. Nesta fase, a participação do professor é determinante.

5- Tenha orientação nutricional

Se pensarmos que grande parte das pessoas não busca orientação nutricional com um médico ou nutricionista, o educador físico é o terceiro profissional mais indicado a dar este tipo de orientação, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

Apesar de não poder receitar um cardápio, o educador físico terá conhecimento para falar sobre os tipos de carboidrato e como distribuí-lo na sua alimentação, vai demonstrar a importância da proteína, quando e qual tipo de suplemento tomar, o que comer antes do treino, entre outras informações para tirar todas as suas dúvidas.